História de uma vida rara e única: síndrome de Prader-Willi

 Olivia, 15 anos- síndrome de Prader-Willi O meu nome é Pia. Eu e o meu marido John temos uma filha de 15 anos, rara e única, a Olivia.

Além da síndrome de Prader-Willi (p-ter-q 11.1), foi-lhe diagnosticada uma monossomia parcial do cromossoma 10 (p-ter-p14). O diagnóstico da Olivia foi feito uma semana depois dela nascer porque pressenti que algo estava errado e exigi que lhe fizessem um teste cromossómico. Mesmo sendo uma bebé prematura, tinha um aspeto diferente e não mexia os braços nem as pernas.

Quando recebemos os resultados do teste no hospital, explicaram-nos que, apesar de terem procurado, não tinham encontrado no banco genético mundial outra pessoa com os mesmos cromossomas danificados que a Olivia. Disseram-nos para estarmos preparados para o facto de a Olivia não vir a sobreviver – tanto quanto sabiam, ninguém conseguia sobreviver com aqueles cromossomas afetados. 

Lembro-me muito bem do momento em que tinha acabado de ler as informações que o hospital nos deu sobre a síndrome de Prader-Willi, deitada no chão da cozinha, a chorar convulsivamente e a dizer ao John «É um monstro! Dei à luz um monstro!» Mas depois recebi uma chamada que mudou tudo. O meu cunhado Bruno, que é médico, aconselhou-me a ler sobre a síndrome de Down, uma doença mais conhecida, e a refletir e comparar o que já sabia sobre a síndrome com a informação que era dada. O motivo deste conselho foi fazer-me entender que as informações apresentadas sobre doenças diferentes refletem sempre o caso mais grave. Ler uma longa lista de sintomas de uma doença na Internet pode não traduzir a realidade da vivência com essa doença.

Reconheci então que a vida tinha tomado uma direção diferente da que tinha planeado. As imagens que tinha da minha filha antes de nascer desapareceram e, em seu lugar, apareceu uma imagem nova, rara e única.

A Olivia tem muitos dos sinais típicos da síndrome de Prader-Willi: fome crónica, baixo tónus muscular, deficiências cognitivas, comportamentos problemáticos e puxar frequentemente a pele, além de dificuldades de aprendizagem e funcionamento intelectual no limite. A sua capacidade de comunicação evoluiu da emissão de sons para uma combinação de fala, utilização de imagens e linguagem gestual. Frequenta uma escola especial desde os 6 anos e está a funcionar melhor do que eu alguma vez imaginei! A Olivia tem amigos, todos eles com problemas diferentes – num ambiente raro, ela é normal.

Mas a Olivia é muito mais do que a síndrome: consigo distingui-las bem. Esta manhã, por exemplo, quando começou a gritar «Odeio-te! Já não te quero, quero uma mãe nova!», olhei para ela surpreendida com a sua capacidade de comunicação e enterneceu-me pensar que já era uma adolescente. Outro exemplo foi quando íamos de carro e ela viu uma vaca, riu-se e disse: «Mamã! Pum! Pum! Tenho fome». Fiquei maravilhada com a sua capacidade de fazer aquela associação de ideias. Agora, fala em sair de casa quando for mais velha, treina os nossos cães e consegue conduzir um carrinho corta-relva. Telefona ao avô e consegue dizer-me que lhe ligou. Consegue lidar e montar um cavalo se alguém o estiver a conduzir. Tem uma memória fotográfica e é capaz de me dizer se estou a ir por um caminho errado.

A Olivia não é apenas rara, é única. Mostrou-me o mistério de ser uma pioneira e desbravar novos caminhos, ensinou-me que o impossível pode ser possível e que «normal» é uma definição criada pelos mais comuns. É a minha filha e amo-a do fundo do coração.  

Page created: 17/09/2015
Page last updated: 17/09/2015
 
 
A voz das pessoas com doenças raras na EuropaEURORDIS A voz internacional das pessoas com doenças raras, Rare Diseases InternacionalRare Disease International Reúne doentes, famílias e especialistas para partilhar experiências num fórum multilinguístico. RareConnect O programa Rare Barometer é uma iniciativa da EURORDIS para a realização de inquéritos para transformar a experiência das pessoas com doenças raras em números e factos que podem ser partilhados com os responsáveis pela tomada de decisões.Rare Barometer An international awareness raising campaign taking place on the last day of February each year, Rare Disease Day is a EURORDIS initiativeRare Disease Day Adira ao maior encontro europeu das partes interessadas no âmbito das doenças raras na Conferência Bienal Europeia sobre Doenças Raras e Produtos Órfãos. A ECRD é uma iniciativa da EURORDISEuropean Conference on Rare Diseases