Síndrome de Rett: Felicidade – o maior presente que uma mãe pode dar

Para Martine Gaudy e Danijela Vlajic, o nascimento das suas filhas foi um dos acontecimentos mais felizes das suas vidas.

Martine & Agathe«Agathe nasceu quando eu tinha 43 anos e foi o melhor presente da minha vida», recorda Martine. Aos 21 meses, a saúde de Agathe começou a degradar-se. «O seu desenvolvimento era lento, mas era a minha primeira filha e a princípio não notei», explica Martine. Agathe deixou de responder pelo nome e por isso realizou testes auditivos. Um especialista sugeriu reabilitação. Martine não conseguia compreender por que motivo uma criança de dois anos necessitava de reabilitação e ficou preocupada por a sua falta de experiência ser a causa. De facto, a audição da filha não tinha problemas e assim começou uma esgotante série de exames.

Era óbvio que algo de muito errado se estava a passar. Martine explica que «Agathe gritava todo o dia, batia com a cabeça no chão, não dormia, era impossível de acalmar. Foi um inferno e não tínhamos qualquer diagnóstico.»

Danijela & EszterEm Budapeste, Danijela passava por uma situação semelhante com a sua filha Eszter. Quanto tinha por volta de 20 meses, Eszter começou a mostrar sinais claros de regressão. Embora tivesse aprendido a andar, era perigosamente instável. Exibia um comportamento semelhante ao autismo e estava a apresentar cada vez mais movimentos estereotipados das mãos. Tal como Agathe, Eszter realizou exames, mas não estava iminente qualquer diagnóstico.

«Um dia, voltei do hospital e disse ao meu marido que detestava médicos e detestava exames!», afirma Danijela, «Só queria estar em casa com a minha filha e já não queria saber qual era o problema dela. Até essa altura, ele pensava que eu era uma mãe paranoica e que o problema era eu e não ela.» Pesquisou “hand stereotypes” no Google e a primeira opção que lhe surgiu foi a síndrome de Rett. «Assim que começámos a ler, soubemos que tínhamos encontrado o nosso diagnóstico.»

A síndrome de Rett é uma doença grave do desenvolvimento nervoso que afeta sobretudo as raparigas.

Martine também chegou a este diagnóstico tão evasivo por acaso, na Internet, quando Agathe tinha seis anos. Inscreveu-se imediatamente na Associação Francesa da Síndrome de Rett e fez parte da Direção até maio de 2011, sendo agora secretária da Rett Syndrome Europe..

Entretanto, abandonou o seu emprego altamente exigente para dedicar toda a sua energia à associação e ao bem-estar de Agathe, que frequenta uma escola para crianças com múltiplas incapacidades. «Eu e o pai separámo-nos. Estou muito grata pelo apoio que a associação me dá. É importante para os pais das crianças com doenças raras trabalharem em conjunto e estabelecerem um diálogo construtivo com as pessoas que cuidam dos seus filhos, as instituições e os políticos», explica Martine.

Em Budapeste, Danijela estava também a tomar decisões que mudariam a sua vida. Poucas semanas antes de Eszter ver confirmado o seu diagnóstico de RTT, Danijela descobriu que tinha um tumor na vesícula biliar. Conta-nos Danijela: «Foi então que tomei uma decisão. Queria estar presente ao lado de Eszter. Não queria ser uma infeliz. Ia ser feliz, e ia sê-lo ao lado da minha filha linda.»

Danijela envolveu-se na Fundação Húngara da Síndrome de Rett e juntou-se à Direção em 2009. «Não sabia nada sobre associações de doentes e o que estas envolviam e não conhecia mais ninguém da direção.» Apesar das suas próprias dificuldades pessoais, incluindo a morte de um filho bebé, Danijela concordou em tornar-se presidente e determinou-se a tentar salvar a Fundação. O acontecimento que mais a incentivou a prosseguir foi a Escola de Verão da EURORDIS, em Barcelona.

«Graças a Eszter, tornei-me mais forte, mais motivada e mais concentrada no presente e naquilo que realmente importa. Fiz amizades especiais e inesperadas. Porque adoraria que o seu futuro fosse mais risonho, assumi como prioridade o incentivo à investigação de terapêuticas medicamentosas», declara Danijela.

Martine faz eco destes sentimentos ao dizer que «temos um dever para com os nossos filhos – e esse dever é sermos felizes.»


Este artigo foi originalmente publicado no número de Fevereiro de 2012 do boletim informativo da EURORDIS.
Autor: Irene Palko
Tradutores: Ana Cláudia Jorge e Victor Ferreira
Fotos: © Martine Gaudy / Danijela Vlajic

Page created: 31/01/2012
Page last updated: 20/06/2014
 
 
A voz das pessoas com doenças raras na EuropaEURORDIS A voz internacional das pessoas com doenças raras, Rare Diseases InternacionalRare Disease International Reúne doentes, famílias e especialistas para partilhar experiências num fórum multilinguístico. RareConnect O programa Rare Barometer é uma iniciativa da EURORDIS para a realização de inquéritos para transformar a experiência das pessoas com doenças raras em números e factos que podem ser partilhados com os responsáveis pela tomada de decisões.Rare Barometer An international awareness raising campaign taking place on the last day of February each year, Rare Disease Day is a EURORDIS initiativeRare Disease Day Adira ao maior encontro europeu das partes interessadas no âmbito das doenças raras na Conferência Bienal Europeia sobre Doenças Raras e Produtos Órfãos. A ECRD é uma iniciativa da EURORDISEuropean Conference on Rare Diseases