Síndrome do X-frágil: a visão de duas gerações

Mother & childElisabeth* tirou uma licença de dois anos quando o seu segundo filho nasceu em 1998, pois queria passar tempo com ele. «Ao passar todos os dias com Paul*, eu pude ver que ele era diferente. Afastava-se de companhia e foi claramente doloroso para ele quando comecei a deixá-lo na creche durante uma hora ou duas. A separação estava a revelar-se muito mais difícil e dramática para ele do que para os outros miúdos», recorda Elisabeth.

 

Elisabeth tentou alertar a família e o médico, mas obtinha sempre as respostas típicas: «não se preocupe» ou «se calhar tem a ver com a forma como educa a criança». Quando Paul entrou no pré-escolar, o pediatra decidiu finalmente realizar alguns testes e um cariótipo. «Lembro-me de pensar que os resultados me tranquilizariam de uma vez por todas, pois parti do princípio que seriam negativos.» Infelizmente, não foi o caso. Paul foi diagnosticado com Síndrome do X-frágil quando tinha 2 anos e meio. «Senti-me como se o mundo se tivesse virado de pernas para o ar.»

 

AntoineForam necessários mais de 10 anos para que Antoine e Sebastien obtivessem um diagnóstico correcto. Ambas as crianças são filhas de Viviane, enfermeira, e nasceram após gravidezes difíceis, em 1979 e em 1981. Sebastien era hipotónico e só começou a andar aos cinco anos, foi mal diagnosticado com autismo e hidrocefalia; Antoine exibiu um desenvolvimento normal, começou a andar aos nove meses, mas era hiperactivo. «Tinha um filho que se escondia atrás da porta a brincar infindavelmente com um pratinho, e outro que corria por todo o lado e batia com a cabeça nas paredes», explica Viviane. Quando entraram no pré-escolar, a equipa docente sentou-se com Viviane e perguntou-lhe «o que é que se passava de errado em casa para os dois rapazes serem assim».

 

Sebastien«Estávamos isolados. Fiz terapia durante cinco anos, o meu marido fez terapia e até os rapazes iam ao psiquiatra. Uma parte da nossa família rejeitou-nos.» Após assistir à Téléthon em 1987 e ouvir histórias que se assemelhavam à sua, Viviane decidiu contactar um geneticista. «Eu e o Sebastien fomos hospitalizados durante oito dias e fizeram-nos muitos e dolorosos testes. Três meses mais tarde, uma carta de rotina informou Viviane de que Sebastien sofria de X-frágil, de que a doença era hereditária, genética e de que toda a família devia fazer testes. «O que eu chorei por ter percebido que tinha transmitido aquilo aos meus filhos! Não havia ninguém que nos dissesse o que fazer, por onde começar e, na época, em 1989, não havia nada sobre X-frágil.» Viviane e os seus filhos foram as primeiras pessoas a ser diagnosticadas na região francesa da Baixa-Normandia e concordaram em ser estudos de caso. Um ano mais tarde, Viviane e o seu marido Xavier criaram a primeira associação de doentes com síndrome de X-frágil em França (e na Europa), a Le Goëland.

 

Uma década mais tarde, quando Elisabeth estava a tomar conhecimento da doença do seu filho, muitas coisas tinham mudado. O gene FMR1 responsável pela síndrome foi descoberto em 1991 e a associação de doentes Le Goëland – que muito fazia para sensibilizar o público – já existia, mas mesmo assim não foi prestado muito apoio a Elisabeth quando o diagnóstico do seu filho lhe foi anunciado. «O pediatra não disse muito e eu não alcancei a realidade da situação. O meu filho sofre de uma forma de X-frágil em “mosaico” e, fisicamente, estava bem. Não estava preparada para o que lá vinha.» Um geneticist deu os contactos da Le Goëland a Elisabeth e ela rapidamente se encontrou com outros pais e se envolveu. «Todos queremos o mesmo: ser confortados por outros pais, ouvir falar de vidas quotidianas que se assemelham às nossas, ajuda para confrontar os nossos medos, a nossa culpa», afirma Elisabeth.

 

Viviene dá o mérito à equipa «incrível» que a rodeou a ela e à sua família. «Os meus colegas, os geneticistas, os médicos e os terapeutas permitiram à minha família ser forte, manter-se junta e enfrentar esta síndrome, que eu considerava como um estranho que se estava a intrometer na nossa família e a obrigar-nos a viver segundo as suas leis.» Infelizmente, Elisabeth não teve este apoio. O marido deixou-a pouco depois do diagnóstico e ela teve de lidar com tudo sozinha. Durante três anos, tentou resolver a situação. «Paul era seguido em ambulatório e frequentava a escola duas manhãs por semana. Os outros pais queixavam-se por ele perturbar as outras crianças, não havia qualquer tolerância na escola e no hospital e ele apenas estava a ser mantido ocupado», recorda Elisabeth. Esta mãe de dois filhos decidiu mudar-se e encontrou uma escola maravilhosa em Châtelaillon, onde possuem uma aula integrada na escola para crianças com necessidades especiais (CLIS). Paul foi bem cuidado, envolvido em muitas actividades, fez amigos e adorou cada minuto que lá passou. Mas, no ano passado, entrou na escola secundária. «Andava perdido; ficava na escola apenas duas horas antes de o enviarem de táxi para outro lado onde não fazia nada. Teve duas crises; a escola enviou-o para o hospital psiquiátrico, onde foi drogado e ficou durante alguns dias. Depois, expulsaram-no durante dois dias!», recorda Elisabeth. 

 

Após anos à deriva, sem diagnóstico, Viviane passou anos à deriva sem cuidados. Não existiam aulas de ensino integrado e qualquer criança que repetisse um ano escolar era imediatamente enviada para o Instituto Médico e Educativo (IME). Nos IME, o diagnóstico era mesmo tabu! «Há vinte anos, era sofrimento suficiente ser-nos dito que tínhamos um filho deficiente; porque é que ainda por cima se lhe havia de pôr um nome? E assim os meus filhos ficaram no IME, tratados como todos os outros, e pagámos terapeutas privados.» Viviane e Xavier continuaram a trabalhar a tempo inteiro para conseguir proporcionar os cuidados correctos aos seus filhos. Viviane fazia turnos à noite e Xavier trabalhava durante o dia. Foi necessário muita paciência, planos, organização militar, disciplina, fé e quatro anos até que Sebastien e Antoine entendessem o significado do tempo. «A minha energia é proporcional ao choque de ser uma mãe que transmitiu a síndrome aos seus filhos», afirma Viviane, que desempenha agora a função de presidente da Alliance Maladies Rares. Antoine e Sebastien trabalham ambos em Centros de Trabalho Especial (CTE), onde a antiga criança hiperactiva emprega a sua paixão na solda de precisão!

 

Paul voltou a mudar de escola e está agora num colégio interno, a quatro horas de automóvel de casa. «É difícil estarmos separados. Não consigo mantê-lo em casa porque seria demasiado dispendioso, não posso mudar de casa porque é aqui que tenho o meu emprego, pelo que não tenho escolha», lamenta-se tristemente Elisabeth.

 

*Os nomes foram alterados


Este artigo foi originalmente publicado no número de Junho de 2011 do boletim informativo da EURORDIS.
Autor: Nathacha Appanah
Tradutores: Ana Cláudia Jorge e Victor Ferreira
Fotos: © EURORDIS & V.Viollet

Page created: 31/05/2011
Page last updated: 12/10/2012
 
 
A voz das pessoas com doenças raras na EuropaEURORDIS A voz internacional das pessoas com doenças raras, Rare Diseases InternacionalRare Disease International Reúne doentes, famílias e especialistas para partilhar experiências num fórum multilinguístico. RareConnect O programa Rare Barometer é uma iniciativa da EURORDIS para a realização de inquéritos para transformar a experiência das pessoas com doenças raras em números e factos que podem ser partilhados com os responsáveis pela tomada de decisões.Rare Barometer An international awareness raising campaign taking place on the last day of February each year, Rare Disease Day is a EURORDIS initiativeRare Disease Day Adira ao maior encontro europeu das partes interessadas no âmbito das doenças raras na Conferência Bienal Europeia sobre Doenças Raras e Produtos Órfãos. A ECRD é uma iniciativa da EURORDISEuropean Conference on Rare Diseases