Viagem de bicicleta na Austrália

Que fazem avançar a investigação

 
pilotos tandemImagine o seguinte: Uma oportunidade única de viajar 700 km de bicicleta através das paisagens mágicas da Austrália – Um desafio pessoal que poderá ser o mais memorável que alguma vez venha a realizar – Angariar fundos para a investigação de doenças oftalmológicas raras e muito raras – E fazer amigos para a vida... tudo isto ao mesmo tempo! Uma quimera? Não. Mais de quarenta pessoas acabaram de provar o contrário, graças à associação irlandesa Fighting Blindness.
 
A Fighting Blindness financia investigação de topo para a cura e tratamento da cegueira. Também disponibiliza um serviço único de aconselhamento a pessoas com problemas de visão e às suas famílias, assim como a pessoas afectadas por outras doenças genéticas. «Em 2000, a Fighting Blindness funcionava apenas com três funcionários e tinha seis projectos de investigação, mas sem qualquer financiamento governamental», refere Avril Daly, membro da Direcção da EURORDIS e responsável pelos Assuntos Públicos na Fighting Blindness. «Por isso, tivemos de ser criativos e encontrar métodos diferentes de financiamento, incluindo a forma de envolver os próprios doentes no financiamento dos nossos projectos de investigação. Foi assim que a ideia das caminhadas e outras actividades veio a concretizar-se.»
 
Logo de Whizzards of OzO conceito é extremamente simples. Foi pedido aos interessados em participar na viagem de bicicleta de Outubro de 2009 no Sudeste da Austrália que angariassem um mínimo de €6200 cada um para financiar o seu desafio e arrecadar fundos para a Fighting Blindness. No acto de inscrição, a associação entregou-lhes um pacote de angariação de fundos, conselhos úteis e o apoio necessário para atingir o objectivo do seu patrocínio. Atingido o objectivo, estava tudo incluído, desde o voo de ida e volta para a Austrália, transbordos, alimentação e alojamento até guias locais, apoio e pessoal médico. As pessoas que participaram no desafio de 2009 na Austrália eram provenientes de todos os estratos sociais, doentes e as suas famílias, público em geral, novos e velhos e ciclistas com ou sem experiência. A maioria das pessoas com deficiência visual pedalou um tandem que levava um piloto ciclista. O itinerário foi criteriosamente escolhido pela sua singularidade; começou com a Great Ocean Road, um dos percursos costeiros mais pitorescos da Austrália; e também incluiu vários parques nacionais e típicas povoações australianas e, para culminar, o Festival de Ciclismo de Melbourne, com pelo menos 16 000 participantes! Claro que uma viagem aos antípodas não podia terminar sem uma ida a Sidney, a cidade multicultural com a sua baía e o meio envolvente, ambos impressionantes.
 
2 ciclistasNora O’Sullivan já tinha participado em actividades semelhantes na China, na África do Sul e na Argentina, mas apesar disso tinha uma grande expectativa em relação à viagem à Austrália. «É óbvio que é extraordinário realizar um desafio pessoal», afirma ela, «mas a interacção com as pessoas com deficiências visuais foi um verdadeiro ponto alto. Ajuda-nos a tomar consciência de que a questão não é a incapacidade mas, sim, a capacidade de lidar com os desafios da vida! Conhecer pessoas e as suas culturas e ser bem recebido também é fantástico.» John Lynkey, que sofre de Retinite pigmentosa, também participou com a sua bicicleta. «Ainda sou suficientemente independente para dar as minhas voltas e tomar conta de mim», afirma ele. «Dito isto, é bastante útil ter pessoas comigo para me ajudarem quando vou a sítios com que não estou familiarizado.»
 
«A Fighting Blindness organiza três actividades deste tipo por ano», explica Avril Daly. «Uma caminhada no Evereste para os que estão mais em forma e que são mais audazes, outra na Europa com uma duração menor e mais acessível fisicamente e uma terceira num local exótico, como a Tanzânia, o Vietname ou a Nova Zelândia. As nossas iniciativas têm sempre por base desafios individuais, que não são propriamente para os menos corajosos: os participantes podem ter de caminhar cinco ou seis horas por dia ou pedalar 100 quilómetros. Definitivamente, não se trata de um roteiro clássico de agência de viagens!»
 
Whizzards of Oz de 2009«Até agora, mais de 1000 pessoas já participaram nas nossas iniciativas deste género», prossegue Avril Daly. «O que nos permitiu alcançar alguns objectivos importantes: promover o trabalho da Fighting Blindness a nível local, aumentando a consciencialização para os doentes com deficiências visuais e para as suas doenças raras e, naturalmente, angariar fundos para a investigação. Muitos dos participantes continuam a envolver-se com a nossa associação. Haverá melhor maneira de construir uma rede de apoio? Claro que também surgem obstáculos no caminho. Cada iniciativa leva cerca de um ano a preparar, implica um cuidadoso trabalho de promoção e divulgação, é preciso escolher muito bem as pessoas que vão acompanhar os participantes no terreno e tudo tem que estar em condições de garantir a segurança dos participantes. Por vezes também surge a publicidade negativa, vinda de pessoas que pensam que as nossas viagens são umas férias com tudo pago e que não entendem que se trata de um desafio pessoal, uma experiência cultural, uma maneira de educar as pessoas sobre as doenças oftalmológicas raras e uma excelente forma de ajudar a Fighting Blindness a financiar a investigação para os doentes .» «Na Irlanda», conclui Avil Daly, «muita da investigação médica é financiada pelos grupos de doentes e pelas associações sem fins lucrativos, que aprenderam a candidatar-se a financiamentos para os seus projectos e a serem inovadores na forma como se financiam.»
 
Já é tarde de mais para a viagem de bicicleta pela Austrália, mas para 2010 a Fighting Blindness já tem uma caminhada planeada para a Transilvânia e outra no Peru. E por que não aceitar o desafio? Não se irá arrepender. Ou quem sabe queira experimentar organizar desafios deste tipo para financiar a investigação em doenças específicas no seu próprio país…
 

Ler mais:

Desafio Whizzards of Oz Australia Cycling e respectivo Itinerário
Iniciativas deste género da Fighting Blindness.
 

 

Autor: Jérôme Parisse-Brassens
Tradutores: Ana Cláudia Jorge e Victor Ferreira

 

Page created: 16/12/2009
Page last updated: 18/10/2012
 
 
A voz das pessoas com doenças raras na EuropaEURORDIS A voz internacional das pessoas com doenças raras, Rare Diseases InternacionalRare Disease International Reúne doentes, famílias e especialistas para partilhar experiências num fórum multilinguístico. RareConnect O programa Rare Barometer é uma iniciativa da EURORDIS para a realização de inquéritos para transformar a experiência das pessoas com doenças raras em números e factos que podem ser partilhados com os responsáveis pela tomada de decisões.Rare Barometer An international awareness raising campaign taking place on the last day of February each year, Rare Disease Day is a EURORDIS initiativeRare Disease Day Adira ao maior encontro europeu das partes interessadas no âmbito das doenças raras na Conferência Bienal Europeia sobre Doenças Raras e Produtos Órfãos. A ECRD é uma iniciativa da EURORDISEuropean Conference on Rare Diseases