18.ª oficina da Mesa Redonda Empresarial da EURORDIS dedicada à responsabilidade empresarial e a políticas inovadoras para melhorar o acesso aos medicamentos órfãos

Pessoas numa reuniãoA Mesa Redonda Empresarial da EURORDIS (ERTC) reuniu a 27 de fevereiro, em Bruxelas, para debater a Responsabilidade Empresarial na Melhoria do Acesso aos Medicamentos Órfãos no contexto da atual situação económica europeia, tendo em consideração os planos nacionais para as doenças raras que os Estados-membros da UE devem desenvolver até ao final de 2013.

A ERTC proporciona aos seus membros uma oportunidade única de interagir com outras empresas biofarmacêuticas, com os principais representantes das pessoas com doenças raras e cientistas e ainda com autoridades nacionais e europeias de saúde.  A realização de oficinas semestrais reforça os laços entre estas partes interessadas relevantes e permite acelerar o desenvolvimento e a disponibilização dos tratamentos na Europa. A última oficina da ERTC reuniu mais de 80 participantes de 11 países – da UE, dos EUA e do Canadá.

Thomas Heynisch (Comissão Europeia, DG Empresas) apresentou os progressos alcançados na criação do Mecanismo de Acesso Coordenado a Produtos Órfãos (MoCA) no âmbito da Plataforma Europeia para o Acesso a Medicamentos na Europa – um processo de discussão de políticas, com dois anos de duração, em que a EURORDIS representa os doentes. O processo MoCA tem como objetivo proporcionar o acesso económico e sustentável dos doentes aos medicamentos órfãos. A essência do MoCA é criar um enquadramento para o diálogo entre as entidades pagadoras dos Estados-membros da UE, envolvendo médicos especialistas, representantes dos doentes e o titular da Autorização de Introdução no Mercado, que contribua para o processo regulamentar da UE e para a interligação entre a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) e a Avaliação das Tecnologias da Saúde (HTA) no campo dos medicamentos órfãos, que se espera que seja cada vez maior. Thomas Heynisch salientou também que as associações de doentes têm tido e continuarão a ter um papel importante ao persuadir os respetivos Estados-membros a tornar-se proativos neste processo.

Uma vez que são os países que determinam as suas estratégias nacionais relativamente às doenças raras, a oficina analisou a forma como as iniciativas concebidas a nível europeu entre os Estados-membros e com a participação de outras partes interessadas poderão interligar-se com as medidas nacionais necessárias à melhoria do acesso a medicamentos órfãos. Que medidas se podem identificar e promover para melhorar o acesso? O Quadro Europeu de Valor Transparente desenvolvido pelo MoCA permitirá aos pagadores dos Estados-membros da UE determinar uma Avaliação Comum do Valor de um Medicamento Órfão que sirva de base à tomada de decisões esclarecidas sobre a fixação de preços a nível nacional, reduzindo assim atrasos e duplicações. A experiência adquirida permitiria reforçar a confiança entre as partes envolvidas e ajudaria a identificar o que cada parte teria a ganhar em futuras negociações de preços coordenadas e com base nesta avaliação do valor comum, no volume agregado de doentes de Estados-membros voluntários da UE e nas atividades de investigação pós-comercialização, gerando dados adicionais que reduziriam incertezas e identificariam a posição mais adequada de um produto na estratégia terapêutica. Foi sublinhado que o Valor Acrescentado Clínico dos Medicamentos Órfãos (CAVOMP) e o MoCA se complementam mutuamente ao propor uma linha contínua de abordagens destinadas a esclarecer e fortalecer o processo de tomada de decisões e, em simultâneo, a melhorar o acesso dos doentes.

Johan van Calster, (ex-diretor da Agência Belga de Medicamentos) falou sobre os debates acerca de Preços Diferenciados, em que a EURORDIS está profundamente envolvida, que podem constituir mais uma política inovadora potencialmente importante para melhorar o acesso aos medicamentos. Os Preços Diferenciados referem-se a uma estratégia de venda do mesmo medicamento a preços diferentes em mercados distintos; neste caso, a diferença basear-se-ia no PIB e na prevalência da doença em cada país. Os Preços Diferenciados aumentaram o acesso a medicamentos nos países em desenvolvimento. Ponderaram-se os benefícios e os riscos da sua utilização em medicamentos órfãos na União Europeia, tendo-se salientado que o Preço de Referência Externo não é compatível com os Preços Diferenciados e pode reduzir a disposição das empresas para participar. Não se considerou que o comércio paralelo constituísse um problema atual ou potencial no caso dos produtos órfãos. Foi feito um apelo para o estabelecimento de um Plano de Entrada no Mercado/Acordo de Entrada no Mercado transparente em que os Estados-membros participantes se comprometeriam a aplicar princípios de Preços Diferenciados e as empresas se comprometeriam a lançar os medicamentos no prazo de dois anos após a obtenção de uma autorização de introdução no mercado.

O Diretor da Federação Europeia de Associações da Indústria Farmacêutica, Richard Bergström, explicou a perspetiva da indústria acerca dos Preços Diferenciados e levantou questões importantes, como a dos processos necessários para garantir um enquadramento político e legal comum na Europa que mantenha as decisões quanto à fixação de preços ao nível dos Estados-membros (ou mesmo a nível regional) e assegure a vontade da indústria em participar. Os Preços Diferenciados foram evocados como um importante objetivo a médio/longo prazo que visa facilitar o acesso aos medicamentos órfãos, devendo permanecer voluntários e não requerer alterações legislativas. A confidencialidade dos preços líquidos deveria constituir uma parte crucial da abordagem relativa aos preços diferenciados e os pagadores têm de estar envolvidos nas primeiras fases do processo.

Ao longo desta oficina, que durou todo o dia, a interação entre o CAVOMP, o MoCA, o Acordo de Entrada no Mercado e os Preços Diferenciados, enquanto conjunto de políticas inovadoras que facilitariam o acesso aos medicamentos órfãos, ficou cada vez mais clara e granjeou um apoio crescente. É necessário realizar projetos-piloto com estas abordagens inovadoras para aumentar a experiência e os conhecimentos.

Durante a tarde, debateu-se o impacto da crise económica no acesso aos medicamentos nos países da UE. Um painel de discussão centrou-se na situação da Grécia e de outros países e nos fatores que estão a agravar a situação.

A 18.ª Oficina da ERTC contribuiu com êxito para aprofundar a compreensão das complexas questões inerentes ao processo que visa a igualdade e a rapidez de acesso a medicamentos para as pessoas que vivem com doenças raras na Europa.

Ler mais:
 

Descubra todas as workshops da ERTC (Inglês)

Tradutores: Ana Cláudia Jorge e Victor Ferreira

Page created: 03/04/2013
Page last updated: 30/09/2016
 
 
A voz das pessoas com doenças raras na EuropaEURORDIS A voz internacional das pessoas com doenças raras, Rare Diseases InternacionalRare Disease International Reúne doentes, famílias e especialistas para partilhar experiências num fórum multilinguístico. RareConnect O programa Rare Barometer é uma iniciativa da EURORDIS para a realização de inquéritos para transformar a experiência das pessoas com doenças raras em números e factos que podem ser partilhados com os responsáveis pela tomada de decisões.Rare Barometer An international awareness raising campaign taking place on the last day of February each year, Rare Disease Day is a EURORDIS initiativeRare Disease Day Adira ao maior encontro europeu das partes interessadas no âmbito das doenças raras na Conferência Bienal Europeia sobre Doenças Raras e Produtos Órfãos. A ECRD é uma iniciativa da EURORDISEuropean Conference on Rare Diseases