2013 está a chegar ao fim: qual é a situação dos planos nacionais para as doenças raras na UE?

Jigsaw puzzle of EU flags

O fim de 2013 aproxima-se e os países europeus atarefam-se em formular, adotar, implementar ou renovar as suas estratégias para a prestação de cuidados e serviços às pessoas com doenças raras, tal como estipula a Recomendação do Conselho de 8 de junho de 2009 relativa a uma ação europeia em matéria de doenças raras.

A 22 de novembro de 2013, o Departamento de Saúde do Reino Unido publicou a UK Strategy for Rare Diseases, com cinco vertentes principais: Capacitação das pessoas afetadas por doenças raras; Identificação e prevenção de doenças raras; Diagnóstico e intervenção precoce; Coordenação dos cuidados; e Investigação. A estratégia constitui um modelo que permite aos quatro países do Reino Unido (Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte) criar e harmonizar os respetivos planos, que deverão ser publicados no fim de fevereiro de 2014. Em paralelo com a publicação da estratégia para as Doenças Raras, o Reino Unido está a também a estabelecer uma Colaboração de Investigação Translacional sobre Doenças Raras, com um investimento a quatro ano de 20 milhões de libras.

Nos Países Baixos, o Ministério da Saúde adotou a versão final do Plano Nacional Neerlandês para as Doenças Raras a 10 de outubro de 2013. As partes interessadas reuniram-se em meados de novembro numa Conferência Nacional EUROPLAN, com o oportuno título de "E Agora?", constituída por oficinas orientadas para os resultados em áreas do plano neerlandês que requerem esclarecimentos adicionais, assim como em dificuldades existentes. O evento centrou-se nas principais áreas do plano nacional, incluindo: Implementação, Cooperação europeia; Diagnóstico e investigação; Qualidade de vida; Reforço da voz dos doentes; Centros de Referência; e Acesso aos medicamentos.

O Projeto Europeu para o Desenvolvimento de Planos Nacionais para as Doenças Raras (EUROPLAN), através da Ação Conjunta do EUCERD, ajuda os países a definir as suas prioridades em termos de doenças raras e a concretizar o processo de elaboração de uma estratégia nacional que envolva todas as partes interessadas relevantes. A secção do site da EURORDIS sobre Políticas Nacionais para as Doenças Raras e o site do EUROPLAN contêm documentos – incluindo diretrizes acerca do conteúdo, dados sobre conferências nacionais, resultados de consultas, documentos conceptuais, estratégias preliminares e planos publicados – provenientes de mais de dois terços dos 28 Estados-membros da UE como resposta à Recomendação do Conselho, estando prevista a inclusão de mais nos próximos meses.  A Comissão Europeia deverá publicar um relatório no início de 2014 sobre o estado da implementação da Recomendação do Conselho, baseado num inquérito aos Estados-membros da UE.

«É demasiado cedo para avaliar a qualidade das medidas e ações políticas tomadas através dos planos nacionais para as doenças raras, assim como para formar uma opinião esclarecida sobre a robustez da abordagem orçamental incluída nestes planos quanto ao seu impacto e sustentabilidade gerais. Contudo, podemos já louvar a dinâmica global, que é real e está bem coordenada em toda a Europa. Estamos a avançar no sentido de concretizar uma estratégia integrada em termos europeus e nacionais, abrangendo todo o percurso da investigação aos cuidados, e que se centrará em alguns blocos essenciais, como a informação, os centros de referência, os registos e o acesso aos medicamentos», declara Yann Le Cam, Diretor Executivo da EURORDIS e Vice-Presidente do Comité de Peritos da União Europeia em matéria de Doenças Raras. «Nos próximos anos, o Comité de Peritos em matéria de Doenças Raras, que envolve todos os Estados-membros e países observadores, desempenhará um papel preponderante, a par da Comissão Europeia, na orientação dos esforços na direção correta. Além disso, a própria EURORDIS estará vigilante e dará o seu apoio, zelando para que os desenvolvimentos futuros vão ao encontro das necessidades dos doentes e das suas famílias.»

Um aspeto muito positivo do pedido e do impulso da União Europeia no sentido de se desenvolverem estratégias nacionais para as doenças raras foi que a mensagem se alargou para além da UE, estando outros países europeus, como a Geórgia, a Noruega, a Sérvia e a Rússia, bem como outros países, como a Austrália, o Brasil e o Canadá, a delinear estratégias que respondam às necessidades das pessoas que vivem com doenças raras nesses países.

Para mais informações, pode ainda consultar a versão mais recente (julho de 2013) do excelente relatório anual da EUCERD – Estado da Arte das Atividades no Domínio das Doenças Raras na Europa.

 


Louise Taylor, Communications and Development Writer, EURORDIS

Page created: 11/12/2013
Page last updated: 09/12/2013
 
 
A voz das pessoas com doenças raras na EuropaEURORDIS A voz internacional das pessoas com doenças raras, Rare Diseases InternacionalRare Disease International Reúne doentes, famílias e especialistas para partilhar experiências num fórum multilinguístico. RareConnect O programa Rare Barometer é uma iniciativa da EURORDIS para a realização de inquéritos para transformar a experiência das pessoas com doenças raras em números e factos que podem ser partilhados com os responsáveis pela tomada de decisões.Rare Barometer An international awareness raising campaign taking place on the last day of February each year, Rare Disease Day is a EURORDIS initiativeRare Disease Day Adira ao maior encontro europeu das partes interessadas no âmbito das doenças raras na Conferência Bienal Europeia sobre Doenças Raras e Produtos Órfãos. A ECRD é uma iniciativa da EURORDISEuropean Conference on Rare Diseases