A promoção do Acesso Progressivo dos Doentes dá frutos

Crianças a partir para uma corrida

A EURORDIS está a promover o Acesso Progressivo dos Doentes para acelerar o acesso a terapias inovadoras mais seguras, eficazes e acessíveis, com uma mais-valia terapêutica real para as necessidades médicas que continuam por satisfazer das pessoas com doenças raras na União Europeia. O Acesso Progressivo dos Doentes, também conhecido como Licenciamento Adaptável ou Autorização Adaptável, tem o potencial de permitir o acesso mais rápido por meio de um esquema de aprovação escalonada que equilibra o acesso com os dados de segurança. A EURORDIS tem estado a promover o conceito de Acesso Progressivo dos Doentes desde 2012.

Como funciona?

Ao trabalhar com os processos de regulação no quadro legal vigente na Europa, o Acesso Progressivo dos Doentes permitiria um acesso mais rápido às terapias inovadoras pela atribuição mais rápida de uma data de autorização sob certas condições predefinidas, enquanto continua o processo de recolha de dados de segurança e eficácia – em particular, quando se combina o esquema de aprovação condicional de introdução no mercado com novas ferramentas no âmbito do novo Regulamento de Farmacovigilância da UE e rigorosos estudos de segurança pós-aprovação e estudos de eficácia pós-aprovação. Com o alargamento progressivo da população a tratar, que seria determinada por critérios de inclusão específicos, o Licenciamento Adaptável permitiria que os tratamentos chegassem aos doentes mais rapidamente – sobretudo no caso de necessidades médicas que continuam por satisfazer, ou seja, os doentes com patologias graves que não dispõem de terapias alternativas satisfatórias. Assim, o Acesso Progressivo dos Doentes permite-lhes aceder mais rapidamente a tratamentos que lhes podem salvar a vida e, em simultâneo, melhorar a recolha de provas, em situações reais, provenientes da muito heterogénea população de doentes-alvo de cada doença rara.

O papel da EURORDIS

Desde 2012 que a EURORDIS tem vindo a defender a aplicação do Acesso Progressivo dos Doentes no contexto do atual quadro regulamentar da UE. A EURORDIS apoiou e participou nos diferentes processos de reflexão e comunicações da Agência Europeia de Medicamentos (EMA). A EMA levantou a possibilidade de utilizar sistemas de aprovação escalonados na sua publicação Roadmap to 2015 (Roteiro para 2015). À medida que o conceito amadureceu, uma Mesa Redonda Empresarial da EURORDIS (ERTC) foi dedicada exclusivamente a este tema em outubro de 2013, reunindo cerca de 80 partes interessadas de alto nível para discutir as vantagens e os desafios do Acesso Progressivo dos Doentes. A interação sustentada entre a EURORDIS e a EMA, a Comissão Europeia e os organismos de Avaliação das Tecnologias da Saúde (HTA) culminou numa carta que foi coassinada pelo Fórum Europeu de Doentes, a Federação Europeia das Indústrias e das Associações Farmacêuticas (EFPIA) e a Associação Europeia de Bioindústrias (EuropaBio) e enviada à Comissão Europeia em dezembro de 2013, solicitando estudos-piloto de Licenciamento Adaptável. A Comissão Europeia foi favorável e, em resposta, a EMA anunciou em março de 2014 o lançamento de um projeto-piloto sobre Licenciamento Adaptável e apresentou um convite para que os promotores de ensaios clínicos apresentassem programas de desenvolvimento de medicamentos em curso para apreciação.

O diálogo é essencial

Para garantir o êxito de novos modelos que melhorem o acesso aos medicamentos órfãos e, em simultâneo, permitam a geração de dados mais completos e rigorosos, é essencial que haja diálogo entre as entidades reguladoras, as entidades financiadoras, a indústria, os especialistas médicos e os representantes dos doentes. Este diálogo necessita de ter lugar logo nas fases iniciais para garantir que os ensaios clínicos são concebidos para facilitar o acesso progressivo dos doentes através da inclusão de manifestações precoces de valor terapêutico e também da previsão de planos de geração de dados para a avaliação das tecnologias da saúde após a comercialização. O projeto-piloto da EMA requer um «ambiente seguro» para facilitar «a exploração livre dos pontos fortes e fracos de todas as opções para as vias de desenvolvimento, avaliação, licenciamento, reembolso, monitorização e utilização de forma confidencial e sem compromisso de ambas as partes».

No início de abril de 2014, foi organizada na EMA, em Londres, uma oficina que envolveu múltiplas partes interessadas, nomeadamente a própria EMA, a FDA, o programa NEWDIGS (Novos Paradigmas de Desenvolvimento de Medicamentos) do Massachusetts Institute of Technology (MIT), a EFPIA e a EURORDIS, para analisar num ambiente seguro, com todas as partes interessadas, se alguns casos concretos apresentados pela indústria se qualificariam para uma estratégia de licenciamento adaptável e quais seriam os benefícios de tal via de acesso progressivo.

A recente Conferência Europeia sobre Doenças Raras e Produtos Órfãos (ECRD de 2014, em Berlim) teve uma sessão dedicada relativa aos esquemas de Acesso Progressivo dos Doentes e Envolvimento dos Doentes na Avaliação Risco-Benefício, que permitiu que os doentes, as entidades reguladoras, a indústria e outras partes interessadas partilhassem e comparassem pontos de vista. As apresentações desta sessão estão disponíveis online.

A EURORDIS está empenhada em promover os projetos-piloto e participar na sua concretização, em particular através do envolvimento dos representantes dos doentes na avaliação risco-benefício, a fim de que a perceção dos riscos e dos benefícios para os doentes que deles necessitam ocupe um lugar de destaque na apreciação dos avaliadores das entidades reguladoras e, ao mesmo tempo, mantendo a investigação para gerar os dados pós-licenciamento para reduzir incertezas.

A EURORDIS vai continuar a criar mais oportunidades de diálogo multilateral e a desempenhar um papel ativo na formação de um ambiente favorável e na definição de abordagens inovadoras que melhorem o acesso ao tratamento das pessoas com doenças raras.


Louise Taylor, Communications and Development Writer, EURORDIS
Tradutores: Ana Cláudia Jorge e Victor Ferreira

Page created: 11/06/2014
Page last updated: 11/06/2014
 
 
A voz das pessoas com doenças raras na EuropaEURORDIS A voz internacional das pessoas com doenças raras, Rare Diseases InternacionalRare Disease International Reúne doentes, famílias e especialistas para partilhar experiências num fórum multilinguístico. RareConnect O programa Rare Barometer é uma iniciativa da EURORDIS para a realização de inquéritos para transformar a experiência das pessoas com doenças raras em números e factos que podem ser partilhados com os responsáveis pela tomada de decisões.Rare Barometer An international awareness raising campaign taking place on the last day of February each year, Rare Disease Day is a EURORDIS initiativeRare Disease Day Adira ao maior encontro europeu das partes interessadas no âmbito das doenças raras na Conferência Bienal Europeia sobre Doenças Raras e Produtos Órfãos. A ECRD é uma iniciativa da EURORDISEuropean Conference on Rare Diseases