Ictiose - Flavio Minelli

Valerio MinelliThe Minelli family |la famille Minelli| la familia de Minelli | la famiglia di Minelli | a família de Minelli| die Minelli Familie

«Eu e a minha mulher sabíamos que o meu sogro tinha ictiose, mas nunca pensámos que se tratasse de uma doença genética», conta-nos Flavio Minelli, membro da Direcção da Eurordis. «A minha mulher fez o teste ao líquido amniótico e os médicos perguntaram-nos se havia casos de doenças genéticas nas nossas famílias, mas nem nos passou pela cabeça referir a ictiose! Ah, se nós soubéssemos...» O sogro de Flavio tem [ictiose recessiva ligada ao cromossoma X->http://www.orpha.net/consor/cgi-bin/OC_Exp.php?Lng=GB&Expert=461] e transmitiu-a à filha, que não sofre da doença mas que a transmitiu ao seu primeiro filho, Valerio. A maioria das mulheres que transmite a doença ao feto acaba por ter problemas no parto. O problema está associado a um défice da sulfatase de esteróides - uma enzima com um papel na cadeia de degradação do colesterol - na criança. «As contracções não começaram quando o bebé estava pronto, pelo que a minha mulher foi cuidadosamente vigiada», prossegue Flavio. «tendo-me telefonado para dizer que os médicos tinham decidido induzir o parto. Eu já estava pronto para ir para o hospital quando ela me voltou a ligar e me disse que o coração do bebé tinha parado e que a estavam a levar para a sala de operações!» Os médicos fizeram uma cesariana em menos de três minutos. O bebé foi reanimado e ligado ao ventilador porque não começou logo a respirar. Os médicos informaram Flavio de que era preciso aguardar para saber se haveria alguns danos permanentes nos órgãos do seu filho. Durante duas semanas, Valerio foi submetido a vários exames para verificar da existência de eventuais complicações ao nível do cérebro, do coração ou dos rins devido à falta de oxigenação, mas não se descobriu nada. «Concluíram que tinha sido um acidente e que não havia nenhuma razão específica para o sucedido.»

«Entretanto, o meu cunhado, assim que viu o Valerio, a primeira coisa que disse foi: "Felizmente, não herdou a ictiose do avô!"» Foi só ao ouvir estas palavras que Flavio teve consciência de que havia mais qualquer coisa para além do que os médicos lhe tinham dito e procurou mais informações na Internet. Na altura não sabia absolutamente nada sobre doenças raras. Descobriu um grupo de apoio a doentes e pais de crianças com ictiose e contactou-os. Depois de Flavio lhes ter contado o sucedido, o coordenador do grupo disse-lhe que provavelmente Valerio tinha ictiose recessiva ligada ao cromossoma X. «Durante alguns meses, os médicos fizeram mais exames ao meu filho para verificar eventuais consequências da falta de oxigénio. O que nunca tentaram descobrir foi o motivo pelo qual ela ocorreu!» Seis meses mais tarde, os médicos consideraram que Valerio estava “em perfeitas condições” e disseram aos pais para deixarem de se preocupar. «Ficámos extremamente aliviados», recorda-se Flavio.

De qualquer modo, ele e a mulher continuaram a pesquisar na Internet à procura de informações sobre a doença. Encontraram sítios Web para médicos e especialistas e entre eles o catálogo [OMIM->http://www3.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/query.fcgi?db=OMIM] (Online Mendelian Inheritance in Man) de genes humanos e de doenças genéticas. Felizmente para eles, um mês depois do nascimento de Valerio, o grupo de apoio aos doentes com ictiose reuniu-se em Roma numa clínica consagrada à investigação e tratamento de doenças dermatológicas. Nesse encontro conheceram um médico que finalmente lhes deu ouvidos. Esse médico confirmou que o filho deles sofria de uma forma ligeira de ictiose. Valerio tem a pele seca e escamas na zona frontal das pernas e no couro cabeludo. «Para além dos banhos, tratamo-lo com cremes para hidratar a pele. A ictiose não tem cura e os tratamentos disponíveis destinam-se exclusivamente aos casos mais graves.» Mas esta experiência não impediu Flavio e a mulher de terem outro filho. «Nessa altura já sabíamos o suficiente sobre a doença para tomarmos a decisão de ter outra criança que poderia vir a sofrer do mesmo problema. Evitou-se a situação dramática do mais velho ao provocar o parto duas semanas antes do fim da gravidez. Lorenzo, o nosso segundo filho, nasceu sem ictiose.»

Em 2002, Flavio tornou-se o coordenador do grupo de pessoas que os tinham ajudado inicialmente. Em Março de 2003 decidiram criar a sua própria associação, a UNITI (Associação Italiana de Ictiose), com o objectivo de apoiar as pessoas afectadas por qualquer tipo de doença em que a ictiose seja um dos sintomas. Uma vez que precisavam de ajuda e de aconselhamento de uma organização com mais experiência, a UNITI aderiu à UNIAMO (Federação Italiana de Doenças Raras). Flavio envolveu-se cada vez mais nas actividades da UNIAMO e, na Assembleia-geral de 2003, foi eleito para a Direcção com o cargo de Vice-presidente. À UNIAMO seguiu-se, naturalmente, a Eurordis, tendo sido eleito para a Direcção desta organização em 2005. Actualmente Flavio já não faz parte da Direcção da UNIAMO, mas continua a representar a organização nas suas actividades internacionais.

Mas, afinal, o que é que o move? «O meu envolvimento actual resulta de um desejo de fazer algo por todas as pessoas afectadas pelas doenças raras na Europa e tentar evitar que passem pela mesma angústia e autoculpabilização que eu e a minha mulher experimentámos. A disponibilização atempada de informação correcta, centrada na perspectiva do doente e transmitindo-lhe um sentimento de empatia, é demasiado importante para ser deixada exclusivamente a cargo dos profissionais.» Por esta razão, Flavio aceitou ser o responsável pela lista de discussão sobre ictiose que a Eurordis está actualmente a implementar de modo a proporcionar a troca de informação e contribuir para reduzir o isolamento das pessoas que vivem com doenças raras na Europa. Caso esteja interessado em conhecer a comunidade de doentes com ictiose, visite [http://eurordis.medicalistes.org->http://eurordis.medicalistes.org/rubrique4.html]. Caso pretenda criar uma lista para uma doença concreta, pode contactar-nos através de eurordis-list@eurordis.org.

Este artigo publicou-se previamente no número de Fevereiro de 2006 de nosso boletim informativo.

Autor: Jerome Parisse-Brassens

Tradutores: Ana Cláudia Jorge e Victor Ferreira

Fotos: © Flavio Minelli

Page created: 19/08/2009
Page last updated: 18/10/2012
 
 
A voz das pessoas com doenças raras na EuropaEURORDIS A voz internacional das pessoas com doenças raras, Rare Diseases InternacionalRare Disease International Reúne doentes, famílias e especialistas para partilhar experiências num fórum multilinguístico. RareConnect O programa Rare Barometer é uma iniciativa da EURORDIS para a realização de inquéritos para transformar a experiência das pessoas com doenças raras em números e factos que podem ser partilhados com os responsáveis pela tomada de decisões.Rare Barometer An international awareness raising campaign taking place on the last day of February each year, Rare Disease Day is a EURORDIS initiativeRare Disease Day Adira ao maior encontro europeu das partes interessadas no âmbito das doenças raras na Conferência Bienal Europeia sobre Doenças Raras e Produtos Órfãos. A ECRD é uma iniciativa da EURORDISEuropean Conference on Rare Diseases