A Hipertensão Pulmonar

VIVER COM UMA DOENÇA RARA

A coragem para começar uma vida nova aos 50 anos com uma doença rara: o exemplo de Rosie Matthysen

Rosie MatthysenAos 35 anos, casada e com duas crianças, Rosie Matthysen abandonou o seu emprego na banca, saiu de Bruxelas e fixou-se em Rixensart, uma vila belga, calma e verdejante. «Sentia-me tão feliz, cheia de coragem e determinação. Estava cheia de projectos, de novas ideias para a casa, tinha duas crianças para cuidar e estava completamente envolvida em tudo aquilo em que me metia», recorda Rosie. Claro que havia aquelas visitas ocasionais ao médico porque o coração «batia desalmadamente» e ela tinha frequentes acessos de tosse seca, mas o diagnóstico habitual era: «excesso de trabalho, Rosie!»

Com 45 anos, a falta de ar, o inchaço nos tornozelos e a barriga dilatada obrigaram Rosie a abrandar o ritmo e a reduzir as suas actividades normais. Começou a ficar cada vez mais ansiosa, mas o médico de família disse-lhe que era a menopausa com alguns sintomas depressivos e o cardiologista não encontrou nada de errado no coração. Durante cinco anos andou entre o médico de família e o cardiologista, até que no hospital de St Pierre um médico que tinha ouvido qualquer coisa acerca da (HPP) decidiu seguir essa pista. A Hipertensão Pulmonar Primária (HPP) é uma doença pulmonar rara em que a pressão arterial na artéria pulmonar aumenta muito acima do nível normal sem nenhuma razão aparente. «Depois de uma semana de exames, o médico diagnosticou-me HPP avançada (sem causa conhecida) e enviou-me para um hospital universitário com especialistas desta doença rara», conta Rosie.

lungs | poumons | pulmón | polmone | pulmão | LungeMas isto ainda não era tudo. «No centro especializado disseram-me que sem tratamento tinha 2 anos de vida e com tratamento não teria muito mais do que isso», recorda Rosie. Os médicos propuseram-lhe um medicamente muito forte, Flolan (com administração intravenosa durante 24 horas), ou então a participação num estudo de um novo tratamento oral, Beraprost (designado como medicamento órfão em 2001, o estudo clínico foi interrompido em 2004 e o medicamento retirado do registo europeu de medicamentos órfãos). Rosie Matthysen, em 2000, decidiu-se por este último, participou no estudo durante quatro meses, enquanto o seu cardiologista foi aumentando a dose, e entrou em coma. Tinha então 50 anos. A vida que tinha tido antes já não existia. «Os meus filhos adolescentes sabiam que a mãe poderia morrer a qualquer altura. Por fim, os médicos decidiram submeter-me a uma atrioseptostomia», recorda Rosie. Esta intervenção consiste no alargamento de um orifício existente na parede (septo) entre as duas câmaras superiores do coração (aurículas). Rosie saiu do coma um mês e meio mais tarde. «Regressei à vida», diz ela. Depois de 3 semanas de fisioterapia, Rosie regressou a casa e as suas palavras dizem tudo: «O meu regresso a casa foi como que o arranque para uma vida nova!»

«Aprendi a controlar o uso do Flolan, que é extremamente difícil de usar. A minha “vida simplificada” permitiu-me ter tempo para conversar com os meus amigos e estar com a família e para eles esse período também foi precioso», recorda Rosie. Quando se começou a sentir melhor, criou a associação belga dos doentes com HPP (HTAP Belgique) com o seu marido, Luc. Conseguiu o apoio da equipa de especialistas do Hôpital Erasme em Bruxelas e o patrocínio de uma companhia eléctrica privada da Bélgica. «Era e ainda é um trabalho bastante difícil, os doentes com HPP são pessoas muito frágeis e delicadas, que se cansam facilmente e que necessitam de tratamentos muito fortes. Felizmente, as famílias e os amigos ofereceram o seu apoio e continuam a fazê-lo.»

A associação apoia os doentes e as famílias e promove a educação e a sensibilização do público em geral sobre a HPP. «Com o apoio do nosso patrocinador, organizamos eventos relaxantes, gratuitos: viagens de barco e encontros de famílias que são sempre recebidos com entusiasmo. O lazer é um direito humano normal que, longe de ser insignificante, é essencial para o bem-estar físico e mental». A HTAP Belgique participou com associações de outros 10 países europeus na criação da Aliança Europeia de Associações Nacionais de HPP (PHA Europe), que é associada da Eurordis.

HTAP BelgiqueHoje, no Hôpital Erasme, em Bruxelas, os doentes têm agora a sua própria «Clinique de l'hypertension pulmonaire» (Clínica de Hipertensão Pulmonar), com cardiologistas, enfermeiras, fisioterapeutas, nutricionistas e psicólogos. Actualmente, Rosie está a ser tratada com o medicamento Remodulin®, um tratamento mais confortável e mais seguro (administração subcutânea, durante 24 horas).

Apesar de a HPP lhe ter alterado a vida e de a ter feito sofrer, Rosie continua a ter o entusiasmo e a coragem que eram o seu lema quando tinha 35 anos. «Sei que não vale a pena pensar em coisas que agora não posso fazer. Chamo-lhe "renúncia positiva" e concentro-me em todas as coisas fantásticas que ainda posso fazer. Em Março, juntamente com a enfermeira especialista Marie-Thérèse, estive na Audição Pública sobre Doenças Raras, no Parlamento Europeu. Já lá vão 8 anos desde que fui diagnosticada. Por agora, a minha HPP está estável e eu considero-me uma pessoa com muita sorte. Os meus filhos já se licenciaram e levam vidas interessantes. Os casamentos não tardarão muito, só espero ter o privilégio de vir a ser avó...”


Este artigo publicou-se previamente no número de Maio de 2008 de nosso boletim informativo.


Autor: Nathacha Appanah
Tradutores: Ana Cláudia Jorge e Victor Ferreira
Fotos: Todas as fotos © Matthysen excetuam pulmão © C.Natoli

Page created: 19/08/2009
Page last updated: 30/07/2013
 
 
A voz das pessoas com doenças raras na EuropaEURORDIS A voz internacional das pessoas com doenças raras, Rare Diseases InternacionalRare Disease International Reúne doentes, famílias e especialistas para partilhar experiências num fórum multilinguístico. RareConnect O programa Rare Barometer é uma iniciativa da EURORDIS para a realização de inquéritos para transformar a experiência das pessoas com doenças raras em números e factos que podem ser partilhados com os responsáveis pela tomada de decisões.Rare Barometer An international awareness raising campaign taking place on the last day of February each year, Rare Disease Day is a EURORDIS initiativeRare Disease Day Adira ao maior encontro europeu das partes interessadas no âmbito das doenças raras na Conferência Bienal Europeia sobre Doenças Raras e Produtos Órfãos. A ECRD é uma iniciativa da EURORDISEuropean Conference on Rare Diseases