Esclerose Tuberosa - Marianna e Katerina Lambrou

Marianna & Katerina Lambrou
VIVER COM UMA DOENCA RARA

Na Conferência Europeia sobre Doenças Raras, Marianna Lambrou subiu ao palco com um sorriso para apresentar a sua comunicação, que fazia parte do segundo tópico da conferência: «Atrasos no diagnóstico, discriminação e compensação financeira insuficiente.» A sua história com a Esclerose Tuberosa teve início há não muito menos que quarenta anos, quando a doença ainda era praticamente desconhecida na Grécia. E ainda que as autoridades tenham começado a enfrentar os problemas associados às doenças raras, a saga continua.

«A minha filha Katerina nasceu em 1968 e os médicos diagnosticaram-lhe uma cardiopatia congénita», refere Marianna Lambrou, que pertence à direcção da Eurordis. Depois de uma intervenção cirúrgica bem sucedida efectuada em Houston, nos EUA, e da perspectiva de uma infância saudável e feliz, Katerina teve um ataque epiléptico. O pediatra do Hospital de Atenas foi o porta-voz da má notícia: Esclerose Tuberosa, ao que acrescentou: «Está com azar e com sorte ao mesmo tempo.» E prosseguiu, explicando que a epilepsia era o único sintoma, o que era bastante ligeiro se comparado com muitos outros doentes a quem a mesma doença foi diagnosticada. No caso de Katerina não se verificava atraso mental, autismo, problemas graves de pele nem outros problemas a afectar os vários órgãos.

Depois de um período difícil a tentar encontrar a dosagem correcta da medicação para a epilepsia, Katerina teve uma infância relativamente «normal». Quando completou dez anos, a família procurou uma segunda opinião em Inglaterra. Um TAC confirmou o diagnóstico e revelou a existência de tumores cerebrais. As dores de cabeça passaram a ser praticamente constantes. Diagnosticou-se hidrocefalia e foi colocado um sistema de shunt para drenagem do líquido. Daqui resultaram deslocações frequentes a Inglaterra para que o neurocirurgião a examinasse regularmente. «Na altura, Katerina tinha doze anos. era um novo problema para complicar ainda mais a vida dela - e a minha.»

Surgiram também outros sintomas não menos preocupantes. Uma dor abdominal recorrente deu azo a um diagnóstico incorrecto de apendicite e ao tratamento correspondente. Os sintomas persistentes deram origem a repetidas infecções urinárias. Katerina foi submetida a diversas intervenções cirúrgicas sem qualquer resultado. No que respeita a esta dor, ainda não se tinha chegado a um diagnóstico concreto. Os médicos examinaram lhe os rins para tentar descobrir uma explicação e encontraram vários tumores a obstruir o seu funcionamento. Entretanto, uma hemorragia provocou uma ruptura num deles. Apesar de tudo isto, Katerina adora a vida e continua a explorar o seu talento para a cerâmica e para a pintura.

Actualmente, tem quase 40 anos e tem bastantes projectos e áreas de interesse, continua optimista apesar da necessidade de embolizações regulares para proteger o seu segundo rim. Até agora, Katerina já foi sujeita a quinze operações, metade das quais podia ter sido evitada se os médicos se mantivessem a par da investigação e dos avanços terapêuticos. A determinação de Marianna Lambrou não desfalece, a esperança e a coragem dão lhe força e ela está decidida a partilhá-las. «No decurso das muitas e variadas situações que enfrentámos até agora, as soluções surgiram sempre por termos enfrentado essas situações de imediato e de forma adequada. É possível encontrar forças para enfrentar as dificuldades mais imprevistas. Apesar de por vezes ter de lutar até contra os próprios médicos, mantenho a persistência e luto por aquilo em que acredito.»

A causa de Marianna Lambrou é a formação e a informação dos médicos e a actualização sistemática dos seus conhecimentos. Este é um dos objectivos da organização que ela fundou, em 1992, em conjunto com médicos e familiares de doentes, com o intuito de transmitir os seus conhecimentos e a sua experiência a outras pessoas nas mesmas circunstâncias. O rastreio desta complexa patologia genética já está generalizado e existem exames para monitorizar os doentes. A Associação de Esclerose Tuberosa da Grécia juntou se à Eurordis em 2000. E, em 2003, com o apoio da Eurordis, foi fundada uma aliança nacional para lutar pela causa das doenças raras na Grécia. Mais um contributo, a nível europeu, para a procura de «soluções para todos os países da Europa, uma vez que as doenças raras e as respectivas curas não têm fronteiras.»

Contactos:
- Associação de Esclerose Tuberosa da Grécia - (TSA da Grécia)

Rue Timotheou, 99-101

16232 - Atenas

Grécia

Tel./Fax: 30 210 76 60 989

e-mail: tsahellas@ath.forthnet.gr

Organização Europeia de Esclerose Tuberosa:
- Esclerose Tuberosa Internacional: www.stsn.nl/tsi/tsi.htm

- Aliança Grega de Doenças Raras (PESPA): www.pespa.gr

Este artigo publicou-se previamente no número de Setembro 2005 de nosso boletim informativo

Autor: Anne-Laure Murier

Tradutores: Ana Cláudia Jorge e Victor Ferreira

Fotos: © Eurordis

Page created: 19/08/2009
Page last updated: 13/08/2013
 
 
A voz das pessoas com doenças raras na EuropaEURORDIS A voz internacional das pessoas com doenças raras, Rare Diseases InternacionalRare Disease International Reúne doentes, famílias e especialistas para partilhar experiências num fórum multilinguístico. RareConnect O programa Rare Barometer é uma iniciativa da EURORDIS para a realização de inquéritos para transformar a experiência das pessoas com doenças raras em números e factos que podem ser partilhados com os responsáveis pela tomada de decisões.Rare Barometer An international awareness raising campaign taking place on the last day of February each year, Rare Disease Day is a EURORDIS initiativeRare Disease Day Adira ao maior encontro europeu das partes interessadas no âmbito das doenças raras na Conferência Bienal Europeia sobre Doenças Raras e Produtos Órfãos. A ECRD é uma iniciativa da EURORDISEuropean Conference on Rare Diseases